Bienal: urubus e assassinato

Affonso Romano e Sant'anna





 

Essa 29 Bienal de São Paulo – com   urubus e cenas de assassinato de políticos – traz algumas questões que interessam  a todos. Os responsáveis por este evento  (que atrai tantos turistas e dinheiro quanto a Formula  1), não deveriam se contentar apenas com as notícias escandalosas e policiais geradas pela exposição. Certamente que isto atrai público. Certamente que a ideologia que governa este tipo de evento, se rejubila com isto. Mas sempre se corre o risco de manter a discussão na superfície, naquilo que tanto agrada à ideologia da pós-modernidade:- o espetáculo pelo espetáculo. Paradoxalmente, a Bienal pretende ser  uma exposição de " arte" embora muitos dos que expõem seus trabalhos lá, dizem que a arte já morreu.

 

            Já na  Bienal anterior, que  num artigo denominei de "bienal do vazio"( e cujo nome pegou), perdeu-se a oportunidade de discutir o "vazio", que os curadores reconheciam existir no cerne da produção artística contemporânea. Na ocasião, tudo acabou na delegacia de polícia, prenderam uns pixadores e não discutiram a fundo a questão do "vazio" ou da "arte". (Quem quiser vá o Google que as notícias ainda estão lá ).

 

Esta nova Bienal tem como tema "arte e política". Mas há uma distorção aí. Estão discutindo "política" num sentido convencional, a política que os políticos fazem e assim  deixam de discutir o que deveria interessar mais aos artistas,  a "política" interna do sistema das artes. Este tem problemas terríveis, o que demonstra que o ambiente artístico não é uma  reunião de querubins. Mas é mais fácil fazer um desenho matando Fernando Henrique, degolando Lula ou uma instalação com urubus, sem se questionar que outros urubus podem estar voejando sobre o monturo de lixo e porcaria que se acumulam em certas galerias e bienais.

 

Até agora não li nenhuma análise critica tanto sobre os urubus na Bienal quanto  dos aviões encalhados em árvores que Nuno Ramos expõe no MAM no Rio. Reportagens, sim, muitas. Mas análises, cadë? Claro que as reportagem correspondem mais à "sociedade do espetáculo". Noticia-se  o bizarro, pois isto vende jornais e revistas. Mas onde as análises críticas? Uns repetem as intenções do autor. Mas de intenções o inferno e as bienais estão cheios.  Bem gostaria de ler uma boa análise dessas obras, por duas razões: caso fossem procedentes me abasteceria de informações e conceitos inovadores, caso contrário, talvez me animasse a desmontar essas pseudo críticas  mostrando suas falácias retóricas e verbais.

 

O risco, como até agora se constatou,  é ver a discussão dividida em duas partes: no caso dos "urubus" - as sociedades protetoras dos animais, com razão, protestando e, do outro lado, o artista se justificando; e no caso dos assassinatos simbólicos dos políticos, uns acenando com a censura e outros dizendo que o artista está acima do bem e do mal. Isto, convenhamos, é ficar  na superfície do fenômeno.

 

 

INDO MAIS FUNDO

 

Dito isto, volto à questão mal analisada da "arte&politca" como foi entrevista a partir dos desenhos do pernambucano Gil Vicente, nos quais  ele aparece atirando em Fernando Henrique Cardoso, cortando a garganta de Lula e matando outros lideres mundiais como Nethanyahu, Armadinejad, Rainha Elizabeth e o Papa atual.

 

Há aí vários mal entendidos. Consideremos primeiro que esse episódio remete para algo conhecido no mundo antigo como "morte em efígie". Não se podendo destruir o réu, destruía-se sua imagem, arrasando sua memória. Mas não é a primeira vez  que dentro da modernidade ocorre um crime semelhante. Em 1965 três pintores  mataram Marcel Duchamp. Gilles Aillaud, Antonio  Recalcati e Eduardo Arroyo pintaram oito quadros realistas nos quais surpreendiam Duchamp subindo uma escada,  esmurravam-no, torturavam-no e jogavam-no escada abaixo nu. Duchamp, que propunha a morte da arte,  não gostou de se ver morto ali. E analisando esse quadro/episódio no livro "O Enigma Vazio" (Ed.Rocco)  eu dizia que não é matando, mesmo em efígie, o ícone da arte de nosso tempo que o entenderemos. O desafio é ir a fundo na sua vida&obra ( que foi o que  tentei fazer). Além do mais, a violência dos três pintores insere-se no quadro violento dos anos 60/70 quando o pensamento totalitário à esquerda e à direita achava que pela força resolveriam problemas sociais e políticos.

 

Portanto, preservando-se o direito do artista se expressar, mas alertando para as consequências disto, não se pode deixar de ver na  obra  daquele artista pernambucano um paradoxal exercício da violência. A meu ver, deveríamos ter aprendido com a Revolução Francesa, com a russa, a chinesa e cubana, que cortar a cabeça dos lideres é inócuo. Por outro lado,  ressurge aí a síndrome voluntarista, perversa e autoritária do "justiceiro" -figura que a sociologia estuda  pertinentemente.

 

Isto posto é crucial trazer à discussão uma pergunta: E' o artista um cidadão acima de qualquer suspeita? Ésta é uma clara   alusão ao filme de Elio Petri ("Indagine su un Cittadino al di Sopra di Ogni Sospetto"-l971). Naquela película, um policial  comete um assassinato, e por pertencer aos altos escalões do sistema julga-se tão incólume que até participa das investigações. Transpondo para o caso da Bienal e da arte atual, pergunta-se: estaria o  artista acima de todas as leis sociais?

           

Para começar a entender essa pergunta,  lembre-se que  a ditadura  recente  nos deixou  uma marca deletéria: depois de tanta repressão,  caímos na ânsia  de repressão nenhuma.  Mergulhamos no oposto. Por isto, o mote: "é proibido proibir", que tem o seu charme juvenil, é um paradoxo, pois  proibir a proibição é exercitar a proibição e a censura, só que do outro lado.

 

Por sua vez,  a ideologia da pós-modernidade, alardeia que tudo é legitimo, que não há  fronteiras, nem valores, que as coisas se esgotam em si mesmas sem qualquer outro compromisso que não seja hedonísta e narcísico. Portanto, um vetor nacional e outro internacional se complementam em forjar uma ideologia de época, que deve ser analisada cautelosamente.

           

Isto nos leva a um outro aspecto já que  esta 29 Bienal tem como tema ARTE E POLITICA. Ora, falar da política convencional é fácil. Acusar  políticos, verberar contra os militares,  é uma banalidade. Eles são os " outros". No entanto, há um    enfrentamento político, igualmente urgente, dentro das artes. É' necessário questionar o perverso sistema em que as artes se baseiam.  Isto consiste em rever o poder dos curadores, o sistema das galerias, as premiações, o critica universitária e jornalística, a publicidade, a bolsa de valores que controla as obras, enfim, o "deus ex machina" que hoje, mais do que nunca, aciona  as artes- o mercado. Com efeito, a esquizofrenia do sistema artístico e de  nossa sociedade, está  nesse poema do antipsiquiatra R.D. Laing:

 

            Ele estão jogando o jogo deles

            eles estão jogando de não jogar o jogo

            se eu lhes mostrar que os vejo tal qual eles estão

            quebrarei  as regras desse jogo

            e receberei a sua punição.

            O que devo pois é jogar o jogo deles

            o jogo de não ver o jogo que eles jogam.

 

         Uma discussão radical  sobre POLITICA E ARTE passa pelo exame interno do sistema das artes hoje e  tem que enfrentar certos paradoxos,   dilemas e   sofismas. É' uma operação tão arriscada e séria que pode levar a um suicídio histórico, a um colapso do sistema. Ou, então, o que seria admirável: ao renascimento da própria arte de uma forma para nós ainda inimaginável  dentro das aporias atuais.

__________________
Affonso Romano de Sant'anna mAffonso Romano de Sant'anna nasceu em Belo Horizonte, 1937. Poeta, ensaísta e cronista, autor, dentre diversos outros, de "Poesia sobre Poesia" (1975), "A Grande Fala do Índio Guarani" (1978), e "Que País é Este?" (1980) . Site oficial.


 

[revista dEsEnrEdoS - ISSN 2175-3903 - ano II - número 7 - teresina - piauí - outubro/novembro/dezembro de 2010]  
 
dEsEnrEdoS está indexada em:

  Site Map