três poemas de

Thiago E

 



o que há dentro do muro não é assim tão bruto
um pensamento sofre na argamassa que lhe cobre
angústia o muro sente, desde antigamente:
é cego todo sempre e só sabe apartar gente
há pouco ouviu do chão com voz de escuridão
que existem as paredes – rijas tal qual ele
a diferença é que elas têm uma janela
e assim, pela janela, a parede enxerga
janela é uma abertura – não dói não sutura
buraco sem reboco movendo-se no corpo
se a obra tem janela, parede é o nome dela
cimento e cal sem furo julgam ser um muro
o muro, truvo e mudo, pensa e pensa em tudo
sair daquele escuro e ver a luz do mundo
deixar de ser um muro abrindo em si um furo
ainda que esse corte lhe tombe à nula sorte
não sabe como, ainda, mudar a sua química
rejeita a vil certeza de não ter vista acesa
deseja em seu chapisco, sim! correr o risco
de ter a pele aberta e sentir o que é a janela
e mesmo sem saber como vai ser outro ser
o muro quer saída mudar mover a vida
quer nem que seja a ida da simples dobradiça
ou algo do por vir que lhe tire desse aqui




do começo não se sabe:
se tem peso ou quanto vale
se hoje nasce ou vira nunca
ou é uma flor que abre em rugas

do começo, sim, se sabe:
como idéia, onde ele cabe
mora dentro e foi embora
no espelho, é a cara do agora

o começo jamais muda
feito o freio faz o lento
tal qual a água queda em chuva
tal qual o ar se move em vento

se constrói esse lugar
de começo e mais começo
onde os pés podem dançar
sobre um som que não conheço






orelha sf - 1. é uma casa na cabeça – encerada e sem madeira não tem porta para entrar: recebe a ressonância e esse som reside lá. 2. clareia o ir do cego – seu sentido mais aberto. e mostra-lhe a cara do barulho ali por perto. 3. maquinaria que me deixa ereto. 4. canteiro de obras – estribo martelo bigorna. 5. caixa do tímpano aos cuidados do otorrino. 6. vontade não te põe em pé – e sim o interno ouvido. 7. quem tem transtorno de equilíbrio passa a se preocupar com isso. vai aprender palavra nova no hospital: vectonistagmografiadigital. 8. com vertigem e mal estar, suplica algo pra amparar. mas onde? não há nada com o que se pareça: é uma queda dentro da própria cabeça. 9. reabilita o labirinto – deitado, em pé, sentado – com roupas confortáveis – pra cima, pra baixo. 10. você precisará fixar o olhar – é o gancho para agarrar. 11. piracetam e cinarizina ajudam na circulação central três vezes ao dia. 12. sua freqüência se distancia da violência da microfonia. 13. mora também em página de livro antigo, mas essa não sabe dos brincos. 14. lugar pra compor o segredo de liqüidificador. 15. criança danada tinha a orelha puxada pra lembrar do certo – diz a história: a orelha é da deusa memória. 16. onde começa o saber. 17. ultraleve. 18. é concha sem mar na praia da pele e sob o cabelo espera um gesto que a revele





___________________________ 

Thiago E. é músico, compositor e integrante da Validuaté (pelos pátios partidos em festa, 2007 | alegria girar, 2009), poeta (cabeça de sol em cima do trem - ainda inédito | cd veículo q.s.p., 2010 | integrante do grupo academia onírica,  http://www.poesiatarjapreta.blogspot.com/ ), editor (AO-revista nº 1 e nº 2, 2011). É formado em Letras, professor do ensino básico, revisor, driblador de gagueira e é doido pra ficar bom.


[revista dEsEnrEdoS - ISSN 2175-3903 - ano IV - número 12 - teresina - piauí - janeiro fevereiro março de 2012]

 
 
dEsEnrEdoS está indexada em:

  Site Map